Rio nas altura por Nilo Lima

RIO CARNAVAL

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Ilusões perdidas



Em cartas embaralhadas
jogarei esse jogo
nessa mesa da vida

Em não fechar
sem acerto
sem vitórias

No convite a mesa
sabe que acontece
em gotejo angustiado
em fechar essa série

De uma e somente uma
de tomá-la anterior
oferecidos, deixados
e não aproveitado.

Nessa mesa da vida
em restos jogados
em pedaços divididos
ao fechar o jogo perdido

mochiaro

sábado, 13 de agosto de 2011

Em Dormidas


Busca um olhar

Deitando em dormidas silenciosas
em marcas agendadas descumpridas

Acovardado

Em calafrios tormentosos
Em silêncio e solidão

Em deslizes contínuos
Em freqüências alternadas
Em graves e agudos
Em negativa presença

Amargo repugnante
Preenchimento em fuga
Em nuvens sombrias

Em pétalas sem vida
Acolhido em seus ninhos
A espera do sopro acudido

Em vida vazia
Indefinidos e disformes

Mas num tudo há esperança
Mas a fé enviará o calor
Irá renascer a esperança.

mochiaro

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Vertente


Vertente

Por mais que eu afastasse soprando
nessas gotas ansiosas em fios
em saudades comprimidas
profundo em busca de luz

Em gritos silvos
acolhida em tremores febril

Ao abraçar o vazio
Em vertentes sofridas

No espaço e no tempo
amassados em torturas
em esperança á encontrar

O remédio de minha paixão

mochiaro

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Valentia


Valentia

A valentia se aflora.
Um grito, uma decisão, uma atitude,
Em tudo isso, um demonstrativo apresenta.
Sou eu e somente eu!
Tenho poderes em mim,
E a obediência presente se faz

Maltrata, levanta a voz.
Mas muita coisa acontece.
E tudo inverte em mudanças
Quando a mulher que ele ama
Vai embora.

E o mais...
Seco e impiedoso
Uma criança apresenta
E o mais valente do homem

Chora


mochiaro