Rio nas altura por Nilo Lima

RIO CARNAVAL

domingo, 15 de dezembro de 2013

EM CÍRCULO

 
 
 

São muitos os vazios entre as letras que compõem uma poesia
São espaços em caminhos retilíneos ou curvilíneos:
A RETA nos afasta ao infinito
O CÍRCULO traz sempre à volta a origem
Assim ao partir podemos escolher o caminho 
Quanto a mim sempre vou escolher o círculo por onde caminhar
caminhar em ângulos marcados por noventa graus.
Ao alcançar a primeira angulação fico na verticalidade de seu caminho.
Na segunda angulação, me sinto na mesma linha, mas em direção oposta.
Em mais um ângulo reto fico em verticalidade invertida.
Mas ao completar uma volta, essa sim, volto à origem.
Na origem de onde parti e você ficou.
Na origem onde voltei e então,
zerei os ângulos.
Assim me fez sentir que não adianta partir;
sem destino e preso ao mesmo raio que me faz girar.
Voltarei sempre à origem de nossos desejos.

mochiaro

 
 

 

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

UMA IMAGEM REFLETIDA






Imagem refletida no espelho plano,
contornos de uma face invertida,
os olhos fixam o que a mente repulsa,
um desejo interior gritante em angustia.

Vê a direita o que a esquerda real apresenta,
uma troca cruel de posições,
um momento de mudança em fuga de esperança.

Mas o espelho da mente é o espelho da alma,
e nela a beleza expõe o real inexistente,
e sua alegria lhe faz mais bela,
embaçando a tristeza que em si apresenta.

Uma carência angustia e um ser lhe medita,
uma presença necessária se faz presente,
na ausência de um vazio cheio.

Sente só e folheia versos que falam de si,
que tocam em seu ser,
que entende o seu “eu” em ferimentos profundos,
e sacia sua sede nas gotas lacrimais de seu choro em silencio.

Um magnetismo aflora num ser ausente,
que lhe faz sentido presente na ausência, distante,
e os raios em energia ilumina sua áurea,
em um sonho angelical profundo.


mochiaro