Rio nas altura por Nilo Lima

RIO CARNAVAL

sábado, 24 de novembro de 2012

na galeria...


Em oculta meditação,

Sou gravura em riscos loucos.

Prensado em resultados mortos;

definidos ou não,

por olhares crentes,

em seu inconsciente iludido.


Faço-me presente na criação artística.


Sou catado em admiração;

no agrado dos olhares errados;

no alicerce interior,

de um passante na vida em galeria.

transferindo-se na imagem calada,

na prisão de sua moldura;

na moldura de sua vida em prisão,

no companheiro de sua solidão.


A mudez ausculta e silencia.

que nada diz, mas conforta.


Viu-me em exposição e sentiu-se

Culta !


mochiaro

sábado, 17 de novembro de 2012






LUA NOVA


Noite ofegante por falta de luz.
Lua respirando um ar frio e úmido.
Calçadas desertas sem despertar anseios.

Bares cobertos em sombria solidão.
Ausência  no calor que se falta.
indiferente no teclado ferido,
As digitais  impressas se apagam

Um dia mais, um dia a menos na perdida caminhada.
Mudos gritos espalham em total desespero.
Perguntas formulam a dormida consciência.

E tudo vagueia mum definir vazio.
Uma ausência por mais sentida,
Em uma presença por mais perdida.

mochiaro



sexta-feira, 1 de junho de 2012

Cartas;;;


CARTAS...


Onde guardamos escritos que marcam e ficam até o desgaste natural do tempo
São escritos e palavras que traduzem não tanto o que a mente formata.
Às vezes, embargamos em dificuldades para traduzir em palavras o que de fato pensamos.
Embolando em letras e rabiscos e na formação da frase não encontramos o que de fato queríamos.
Mas, uma carta é enviada e ela percorre em silêncio no meio de outras mensagens em pacotes fechados amarrados.
Voam nas nuvens, enfrentam tormentas e pousam em uma aterrizagem perfeita e feliz.
São novamente misturadas umas nas outras e separadas em pacotes conforme sua direção, seu endereço.
E chega ansiosa para ser libertada do envelope e ser tocada pelas mãos em espera.
Em espera, em termos, pois chegou em surpresa e sem aviso prévio.
Nas letras grifadas reconhece quem a enviou e no perfume exalado define quem de fato se presenciou.
Uma carta, uma chegada, um toque, um sentimento.
Assim essa carta começa e outra se comporá em uma seqüência de afirmações e presença.
Uma carta, um meio de comunicação de forma artesanal que ainda persiste diante do avanço em meios de comunicação.
Uma espera no tempo se faz e a satisfação em tê-la em mãos na entrega.
“Quando o carteiro chegou e seu nome gritou com uma carta na mão....”

mochiaro

domingo, 25 de março de 2012

Minha arte


Pintei-a em aquarela
Na sutileza e deslize do pincel
Cuidadosamente e sem erros.

Risquei sua imagem
E borrei seus e meus desejos.

Pintei-a em aquarela

Emoldurei em prisão
Para que os anos me fizesse
Protetor e proprietário
Dessa obra de arte

Mas a arte se fez presente
Não somente a mim, mas...
A outros causando admiração


Para te dar liberdade
Retirando a moldura
Fiz-te viajar

E a mim ficou...
Um fundo vazio
Numa parede dentro de mim

O vazio é uma presença ausente, coberto
“De um cheio de nada”

mochiaro

terça-feira, 20 de março de 2012

A madrugada me traz felicidade


Madrugada...
Momentos em reflexão
madrugada... Que me desperta em procura
madrugada das noites em arraste
madrugada onde correm desejos.


Sentando na cama
bem ao lado onde você medita em sonhos
vendo seu peito arfar e...
Um leve e lindo sorriso a correr em seus lábios
borbulhando sonhos preciosos.

Aproximo-me de seu rosto sem tocá-lo
sentindo o perfume que
exala de seu corpo
e em torturas me embriago em tonturas.

És doçura
és bonita
és a mais rica das preciosidades que Deus criou
és mulher
é toda minha

“busco ao contemplá-la onde os ponteiros vagarosamente percorrem o tempo, uma imagem una nesse quarto iluminado pelo luar” •

mochiaro

domingo, 18 de março de 2012

Noite vazia, presença constante





A noite vazia sem brotar esperança
Numa perdição sem nada ter feito
Arrasto-me em torturante agonia
Vendo a luz da lua em raios desfeitos.


O dia sem valores aponta,
Uma réstia de sonolência me apodera,
Prossigo em meditações vagantes
Toco, remexo meu ser em desalinho.


Vou arrancar o aloquete desse baú,
Revirar mexer procurar em suas profundezas,
Um rasgo de papel, um resto de teu cheiro
Ao anotar em letras chorosas pingadas,
Te amo, te gosto, voltarei.


Uma respiração ofegante me fez despertar,
Estava sonhando em negativas lembranças
Mas seu corpo presente me acolhia
Santo Deus! Um anjo ao meu lado dormia.


Sorri em meus lábios em sussurros,
Beijei o ar envoltório
Suguei seu gosto, absorvi seu cheiro
E voltei me acolher
No calor que somente você me faz receber

“Mendigo sim! Na caridade de seu amor”

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

A flor um dia chegou...



Colhi um dia um ramo de flores
Eram rosas embaladas em carinho
Colhida numa escolha a distancia
Mas tão perto chegava ao destino

Foi assim que escolhi para presentear
A quem era outra flor/rosa...
No nome em seqüência e no pensamento

Mas no silêncio a flor que...
Na partida alegre,
Chegou triste e problemática
E, uma mortalha
A “morte” cobriu

A flor in natura não pode acolher
A flor mulher no seu dia presente
No presente tempo
De mais um tempo passado

Mas ficou o desejo no tempo
E da flor morta outra chegou
Para fazer o velório

Na morte/esperança/presente

mochiaro

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

De Sete em Sete


O número “sete” nos acompanha a cada instante
Desde a criação do mundo em sete dias
No correr da semana de sete dias
Nas sete notas musicais a nos fazer serenata

Sete são os CHACRAS

Sete são os planetas sagrados: Sol, Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno
Assim procuro as sete cores refratadas pelo prisma
Violeta, Amarelo, Anil, Verde, Laranja, Azul e Vermelho
Nessa mistura que resulta no branco
Mas de sete em sete eu a vejo em sete vezes
Na Esperança, Fortaleza, Prudência, Amor, Justiça, Temperança e Fé

Vejo-te abençoada pelos sete arcanjos do criador
Gabriel, Rafael, Joriel, Miguel, Samuel, Ismael e Iramael

Mas num todo a quero nas sete maravilhas do mundo
Quero entre as sete rainhas
Em sete belas artes
Entre as constelações de sete estrelas
Quero entre sete raios de luz

Quero sete vezes sua presença
Em sete desejos
Em sete horas de prazer
Em sete momentos sentenciados

E cabe a nós brindarmos em sete castiçais de ouro
Iluminados por sete lâmpadas de fogo
Multiplicando sete por tantos setes


mochiaro

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Minha sombra


PERCORRO NESSA MANHÃ
UM TRAJETO DIFERENTE
O SOL POR TRÁS
PROJETA MINHA SOMBRA ADIANTE.

AO DAR UM PASSO
MINHA SOMBRA ADIANTA DOIS
E ASSIM, SINTO-ME EM FUGA
SOMBREADO, ESCONDIDO, INDEFINIDO.

OH!
SOL QUE A LUZ DA ESPERANÇA TRAZ
ATIRAS A FRENTE DE MIM
O QUE DE DENTRO ME PERTENCE
NÃO QUEIRA DUPLICAR ESSA IMAGEM
OU QUEM SABE UNI-LAS EM UMA SÓ

VÁ!
SOMBRA

VÁ!
ADIANTA SEUS PASSOS,
CORRA E DESCUBRA ANTES DE MIM,
ONDE ESTÁ A OUTRA SOMBRA.

VÁ!
JUNTA-SE A ELA, UNAM-SE,
E DIGA A ELA QUE ME ESPERE CHEGAR,
COM A LUZ A CLAREAR NOSSA UNIÃO..