Rio nas altura por Nilo Lima

RIO CARNAVAL

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Liberdade


Liberdade

Na missa entre aspas o pregador que não entende de mulheres a não ser teoricamente falou:
-“Ser a mulher uma servidora e mantenedora do lar, por ser uma procriadora e no crescei e multiplicai, ela se faz presente”.


Discordo...
Sempre dei liberdade a mulher e o faço assim com prazer e orgulho.
Cabe a ela decidir o que fazer ou não fazer, de gostar e não gostar e não ficar algemada como algumas que sente prazer em ser domada e isso me faz comparar a um animal adestrado para agradar o dono nos prêmios ou vitórias conquistados.


Um animal, que seja o irracional, fica acostumado a obedecer ao dono por maus “tratos” e retribui em troca com lambidas aparente de satisfação e, quando fazemos agrados sinceros somos recebidos a mordidas ou coices.
Na maioria infelizmente temos muitas fêmeas que embora aparentemente apresentem liberdade vivem nisso que eu chamo de Prisão Condicional onde saem do casulo é controlada a distancia, trabalha em sustentação e volta depois à solitária de prisão onde falar não pode; gritar muito menos.


Parabéns a essas mulheres que tem o SINAL VERDE da liberdade e se equiparam em inteligência, tomada de decisão e coragem.
Gosto de relacionar com mulheres que tem essa mente liberta sem deixar a sua feminilidade ser atingida.


A cor do sinal pode variar do VERMELHO para o VERDE ou vice e versa
Pode ter um, AMARELO, intermediário de atenção e cuidados.
Mas nem sempre o VERDE nos dá uma certeza de que tudo esta livre.
Ao atravessá-lo um choque pode nos alcançar e a destruição acontecer.
Na vida isso ocorre quase sempre e por isso o AMARELO é uma advertência.


A mudança do VERMELHO para o VERDE diretamente acontece e muito; em quem possui a bipolaridade e não numa mudança natural tal como no camaleão.
Essa bipolaridade cria momentos de afirmação e confiança e, em minutos pode acontecer o oposto sem mais nem menos uma explicação.
Ficamos mudos e perplexos, mas sabemos que embora não se trata de uma doença inicial, não tem cura e nem os estudos psicanalistas sabem a origem delas.
Assim é difícil entender os pós e contra e a mulher que eu tanto adoro como um ser livre indispensável e desejado tem que medir e separar o tal joio do trigo, ao analisar o homem que lhe faz bem e é tido como errado do que lhe faz mal e é tido como certo.
Ao mostrar a luz da liberdade ao ser retirada das cavernas escura muitas voltam a origem, por essas incertezas, inseguranças ou bipolaridade

.
Mulheres desejo ver vocês livres para sentir o verdadeiro amor que em muitos de nós ainda existem com sinceridade, carinho e paixão.
Um beijo as princesas e rainhas o verdadeiro ser de nossa existência.

“Que o SINAL VERDE não fique totalmente apagado e nem num acende e apaga inconstante.”

mochiaro

2 comentários:

  1. O Fanzine Episódio Cultural é uma jornal bimestral (Machado-MG/Brasil) sem fins lucrativos distribuído gratuitamente em várias instituições culturais, entre elas: Casa das Rosas (SP/SP), Inst. Moreira Salles (Poços de Caldas-MG) e Cia Bella de Artes (Poços de Caldas-MG). De acordo com o editor e poeta mineiro Carlos Roberto de Souza (Agamenon Troyan), “o objetivo é enfocar assuntos relacionados à cultura, e oferecer um espaço gratuito para que escritores, poetas, atores, dramaturgos, artistas plásticos, músicos, jornalistas... possam divulgar suas expressões artísticas”.

    ResponderExcluir
  2. O Fanzine Episódio Cultural é uma jornal bimestral (Machado-MG/Brasil) sem fins lucrativos distribuído gratuitamente em várias instituições culturais, entre elas: Casa das Rosas (SP/SP), Inst. Moreira Salles (Poços de Caldas-MG) e Cia Bella de Artes (Poços de Caldas-MG). De acordo com o editor e poeta mineiro Carlos Roberto de Souza (Agamenon Troyan), “o objetivo é enfocar assuntos relacionados à cultura, e oferecer um espaço gratuito para que escritores, poetas, atores, dramaturgos, artistas plásticos, músicos, jornalistas... possam divulgar suas expressões artísticas”.

    ResponderExcluir