Rio nas altura por Nilo Lima

RIO CARNAVAL

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Resto


Resto

Um pedaço de papel
Açoitado pelo vento
A força da natureza a remover
O ar viciado que os vícios fizeram

Somos parte desse meio indigesto
Que a humanidade se compõe
E na oposição do papel que voa
Fixamos no mundo como ácaros

Em volta pureza e beleza
Da natureza e pássaros
Nesse mundo emprestado
Onde o lixo é o humano
A sujar o mais belo

Ao acordar e mirar
No espelho da vida
Vemos tudo e não vemos nada
Afastamos o belo
Agrupamos no feio

Ridículo!

Papel voando o mais belo
Liberto em desenhos pelo ar

Papel sujo, encharcado, pesado
Rasteiro no chão
Lixo humano.

mochiaro

3 comentários:

  1. Olá feliz 2011! Parabéns pelo vosso blog!
    Quero hoje que você possa conhecer o trabalho feito no Folhetim Cultural que é o blog pelo qual sou responsável este abaixo é o endereço:
    informativofolhetimcultural.blogspot.com
    amanhã sábado 1º dia do ano, iremos voltar com publicações.
    Ás 9 horas da manhã minha coluna poética
    Às 13 horas O Poeta entrevista quadro de entrevista
    e ás 17 horas Chá das 5 onde um poeta colaborador escreve uma coluna poética. Ao longo da semana atualizações são feitas com noticiário cultural, espero que possa contar com seu apoio nessa empreitada e que possa opinar sobre o nosso trabalho agradeço a atenção lhe desejo um ano super!

    Magno Oliveira
    Folhetim Cultural

    ResponderExcluir
  2. ...mas apesar de tudo, bruxo, agarramos á vida e cremos que valemos mto porque o astro ainda nasce todo dia e os olhos de Deus piscam no ceu.
    seu poema é lindo como a lagrima sincera...

    bjsssssssss

    ResponderExcluir
  3. ahhhhhh e que os homens entendam da alma feminina como um certo Mochiaro, meu bruxo poeta!

    bjsssss

    ResponderExcluir